CRIATIVIDADE PARA
DESTRAVAR NOVAS POSSIBILIDADES

VAMOS COCRIAR UM NOVO FUTURO

Por que alfabetização no futuro é algo que precisamos fazer no presente?

segunda-feira, 23 de agosto de 2021 | Criatividade
Por que alfabetização no futuro é algo que precisamos fazer no presente?

Alfabetização em futuro nos dá consciência sobre o que gera nossas esperanças e medos, aprimorando nossa capacidade de aproveitar melhor e mais plenamente as escolhas que fazemos agora.

Parece incongruente, mas quando adquirimos essa “disciplina da antecipação”, conseguimos conectar horizontes de tempo a curto e longo prazos em uma trajetória mais sustentável.

Afinal, há muita incerteza sobre o futuro. Pandemias, crises econômicas, discrepância entre realidades sociais, conflitos de gerações, racismo, opressão ideológica e de gênero. Muitos fatos nos deixam menos otimistas com planos, menos confiantes com o amanhã e menos seguros com o que vem pela frente, é verdade.

A consequência lógica é que, ao desenvolver a habilidade de “usar o futuro”, seremos capazes de aproveitar as oportunidades do amanhã a partir (e não apesar) das mudanças, experimentações e novidades. Faz sentido para você?

Para mim, faz. E muito! Ser alfabetizado em futuros não só fortalece a imaginação como aumenta nossa capacidade de nos prepararmos, recuperarmos e reinventarmos de acordo com as circunstâncias, que mudam a todo instante.

Pode parecer difícil em um primeiro momento, sobretudo porque no último século os esforços para pensar sobre o futuro navegaram pela incerteza e tentaram colonizar o amanhã com as ideias do hoje.

Mas essa pobreza de imaginação precisa ser superada porque ela é um grave problema.

Eu particularmente gosto muito da forma como a UNESCO organizou os benefícios de alfabetizar indivíduos, comunidades, empresas e governos em futuros.

Em resumo, a organização consegue elencar o empoderamento que há em desenvolver essa habilidade. Trago aqui alguns pontos que a alfabetização em futuros, na minha opinião, é mais significativa e transformadora:

  1. Inovação: fica mais fácil inovar e tirar vantagem dessa inovação

  2. Descoberta: é essencial para detectar e entender novidades e surpresas

  3. Liderança: difunde iniciativa e experimentação em toda comunidade

  4. Estratégia: faz conseguir enxergar genuinamente estratégias e alternativas

  5. Sabedoria: proporciona várias maneiras de conhecer o mundo ao nosso redor, incluindo emoções e contextos específicos

A provocação que coloco neste artigo é exatamente a de que essa habilidade de imaginar o futuro literalmente nasceu com você, comigo e com todo ser humano. Futures Literacy é algo inato e que precisamos aprimorar como oportunidade de compreender a formulação dos nossos desejos.

Afinal, quanto melhores nos tornamos em compreender as diferentes explicações e métodos para imaginar o futuro, menos razões teremos para temer o futuro. Decidir como usar o futuro nos deixa mais à vontade com novidades e experimentações e menos ansiosos com a incerteza.

É verdade que a maioria dos sistemas educacionais continua a reprimir a criatividade, a imaginação e o pensamento crítico. Mas não à toa Em 2020, o Fórum Econômico Mundial aprontou futures literacy como a principal habilidade para lidar com o mundo pós-pandêmico.  

A pandemia de Covid-19, inclusive, intensificou a percepção de que as velhas maneiras de usar o futuro não são mais adequadas. Há necessidade urgente de transformar a governança humana. Todos devemos ser capacitados para usar o futuro de forma mais eficaz. É necessário ir além da dependência de uma certeza ilusória e da fragilidade criada com isso.

A alfabetização em futuro tem um potencial emancipatório. É sobre liberdade e diversidade. Por que e como usamos o futuro? Só conseguimos responder de forma eficiente se tomamos consciência das imagens que temos sobre o futuro e, ao mesmo tempo, aprendemos a reconhecer e a utilizar isso para inovar agora.

Riel Miller, “pai” da alfabetização no futuro, define de forma simples a importância dela: as imagens que temos sobre o futuro enquadram o que vemos e fazemos no presente.

E por isso, depois de tomar consciência sobre as imagens que temos do futuro, precisamos nos envolver em um processo de ressignificação. Reenquadrar não é apenas um processo de pensar fora da caixa, mas sim conceber um quadro radicalmente alterado.

Só assim não ficamos concentramos em um “futuro possível” (o que é mais provável de acontecer) ou “normativo” (o que precisa ser feito), e nos envolvemos com um futuro inesperado e totalmente transformado.

Abraçar a complexidade e a incerteza desse futuro nos torna capazes de repensarmos nossas opções e escolhas.

E a UNESCO tem demonstrado que é possível usar o futuro. Com atividades estruturadas de aprendizagem, pessoas descobrem as origens e o poder do que imaginam.

A organização formata verdadeiros Laboratórios de Alfabetização em Futuros nos quais utiliza a inteligência coletiva para cocriar o significado de conceitos como sustentabilidade, paz e inclusão.

Espero que esse movimento dissemine cada vez mais uma consciência coletiva de que, assim como estabelecer a leitura e a escrita universais, democratizar a alfabetização em futuros abre novos horizontes.

Aproveite essa leitura e busque se desafiar. “Brinque” com suposições desconhecidas sobre o futuro, estimule em si mesmo a capacidade de identificar novas oportunidades, de catalisar o presente com essas imagens e de inventar e moldar novos mundos de possibilidades.

Alfabetização no futuro é o que precisamos fazer agora!

Matérias recentes

23 de Agosto de 2021
Por que alfabetização no futuro é algo que precisamos fazer no presente?
Leia mais...
25 de Setembro de 2020
Soluções do futuro para problemas atuais
Leia mais...
20 de Março de 2020
NVIDIA começa movimento com PCs Gamers na batalha contra o Coronavírus...
Leia mais...